sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Uma nova cara para a paralisação concertada nacional!

A greve geral já não cola hoje em dia. Já nem é geral, é gozada por aqueles que trabalharam todo esse dia no interior dos seus escritórios pertencentes à classe dos privados, é acusada de não resolver os problemas do país, atrasa o crescimento da nossa possante economia, cria problemas em quem se quer deslocar e nem sequer consegue dois minutinhos de antena no No Comment do Euronews. No entanto, e porque o que este país precisa mesmo é de soluções, pensamos em várias alternativas que permitam às nossas greves apresentar uma nova cara e resultados diversos conforme as intenções. Por exemplo:

Um Flashmob: Um ajuntamento instantâneo na Rua da Amália Rodrigues é algo ao qual estamos habituados, mas se se basear no Thriller do Michael Jackson ou no Call Me Maybe da Carly Rae Jepsen o impacto será maior e o divertimento garantido. Uma vantagem essencial: o flashmob permite a dispersão da multidão tão rapidamente quanto se reuniu, pelo que a irritação policial não terá tempo para se expressar nas velhotas indefesas, assim como nesta nova vaga de hooligans de trazer por casa. 

Um mega jogo de sueca: Aliar um passatempo nacional à crítica ao governo poderia de facto resultar e escalar para uma revolta de meter inveja à francesa. No fundo, juntar a frustração diária de centenas de dignos representantes da pós-meia-idade nacional à incompreensão pelo companheiro ter feito renuncia ou não ter reparado no sinal para jogar o Ás, poderia facilmente redundar em ofensas à filha do Zé que é uma pega de primeira até a discussões acesas sobre se a Troika está ou não disponível para estudar a redução do IRC para 10%. A partir daí era esperar pelo efeito deflagrador de tão poderosa massa, mas nesta altura nem conseguimos prever os possíveis efeitos sociais e políticos que tais acções poderiam ter no nosso país… 

Chamar o John Stewart: Antes de mais é americano, pelo que possui uma cultura de desenrascanço que lhe permite trabalhar sozinho na crítica aos governantes enquanto a população trabalha e continua a produzir. Por outro lado, é engraçado e mais moderno, o que vai retirar o ar pesado das faixas vermelhas e das já gastas palavras de ordem que tanto caracterizam as graves nacionais.

Depois disto, o nosso blog ganha um verdadeiro estatuto de serviço público. As ideias foram baseadas em cinco minutos de pensamento honesto e com o futuro da nossa Nação presente. Muito obrigado! 

Sem comentários:

Enviar um comentário