quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Não haverá a possibilidade de convidar estes senhores ao nosso país? Em caso de sucesso, ofereciamos uma ilha das Berlengas...


O movimento contestatário Otpor ("Resistência") foi criado em 1988 por estudantes da Universidade de Belgrado e contribuiu activamente para a queda do regime de Slobodan Milosevic, em 2000. Falhou na tentativa de se transformar em partido político, mas alguns dos seus dirigentes fundaram, mais tarde, o Centro para a Resistência Não Violenta que influenciou diversos movimentos, designadamente na Geórgia e na Ucrânia, e, mais recentemente, no Egipto.

Feita a introdução, passemos à história propriamente dita. Pelos valiosos serviços prestados a Mohamed Nasheed, na altura em que este foi perseguido e detido, na qualidade de líder da oposição das paradisíacas Maldivas, os fundadores do Otpor, de Belgrado, não foram agraciados com a Ordem Nacional de Mérito nem com qualquer outra condecoração do mesmo género. Como recompensa pelo seu contributo para o derrube (em 2008) do antigo senhor das Maldivas, Maumoon Gayoom, receberam uma ilha paradisíaca - só para eles!!!!
Hoje, Nasheed é o Presidente deste arquipélago situado no oceano Índico e a pequena ilha de Tinadu, pode vir a tornar-se a primeira base marítima dos ideólogos sérvios da luta não violenta. A sua experiência não se ficou pelo derrube de Milosevic. Decidiram exportar a sua experiência revolucionária e já antes obtiveram também os escalpes de alguns regimes políticos decadentes na Geórgia, Ucrânia, Líbano e Egipto!
Assim que aterraram nas Maldivas, os membros desta organização organizaram workshops, debates e explicaram como se estruturavam os movimentos não violentos. O Presidente de então, que, aparentemente não era do mesmo calibre de Lukachenko ou Ahmadinejad, não se deu por achado, ou não se apercebeu de nada. Os jovens rebeldes locais até levaram os seus novos visitantes a conhecer o líder da oposição e foi então que lhes foi prometido: "Se vencermos, dar-vos-emos uma ilha para fazerem um centro de treino. Vamos chamar-lhe a 'ilha da democracia'!" Os planos postos em prática resultaram e Nasheed venceu as eleições presidenciais com a ajuda do Otpor e as suas estratégias revolucionárias, mais a força dos jovens locais.

Na verdade, não me importava de oferecer uma ilha a estes senhores, caso ajudassem a restaurar a verdadeira democracia no nosso pobre país. Ainda pensei na ilha da Madeira inserido no famoso cabaz de oferta, mas coitados não merecem tanto mal... Pelo contrário...

Sem comentários:

Enviar um comentário